Seu cliente quer vender online, e agora?

faturamento gerado pelo comércio eletrônico ultrapassou a margem de R$ 44,4 bilhões de reais em 2016. E de acordo com o Sebrae, as pequenas e médias empresas lideram nesse cenário competitivo, portanto, as estimativas de crescimento são as melhores possíveis. Em decorrência disso, muita gente tem cogitado a possibilidade de vender online.

Apesar da grande procura, não são todas as pessoas que conseguem obter os melhores resultados com as vendas praticadas no ambiente virtual. Afinal, estamos falando de um mercado vasto, fértil e, ao mesmo tempo, cheio de pormenores.

Para simplificar um pouco, separamos algumas dicas importantes. Assim, você vai poder orientar o seu cliente adequadamente. Confira!

Aposte no White label

A maioria dos empreendedores está de olho no potencial que a internet pode proporcionar. Afinal de contas, cada vez mais as pessoas utilizam esse meio de conexão — seja via dispositivos móveis ou computadores convencionais.

No entanto, investir no desenvolvimento de um sistema que já existe tende a ser perda de tempo, principalmente, nos tempos de hoje. Nesse caso, o White label supre exatamente essa demanda, porque se trata de um modelo de negócio que permite a revenda, sem a necessidade de disseminação dos direitos autorais.

Como assim?

Você não precisa investir em uma tecnologia para disponibilizar mercadorias ou serviços, pois tem a chance obter o direito de uso, para utilizá-la como bem entender.

Os trâmites de obtenção são similares aos de uma franquia, com a diferença de o White label ser mais barato e flexível. Ou seja, você vai poder usar a sua marca, como se o sistema fosse seu.

Ouça o cliente

Os conhecimentos técnicos resolvem boa parte dos problemas, mas as soluções podem ser ainda mais eficientes se você ouvir o que o cliente tem a dizer sobre vender online. Porque, na maioria das vezes, as respostas estão nessas exposições ou nesses questionamentos. Portanto, reserve um tempo para o briefing.

Faça as suas perguntas

De uma boa conversa, conseguimos extrair muitas informações relevantes. Nesse caso, depois de ouvir as dúvidas, críticas e sugestões do cliente, procure traçar alguns limites para a solução do caso.

Não se contente com fórmulas prontas, mas desenvolva as ações a partir da necessidade de cada caso e opte por perguntas abertas — aquelas fazem o cliente pensar para responder.

Reflita sobre a proposta

Agora é o momento de somar as informações obtidas com a sua bagagem profissional. Reflita sobre as demandas e, se for necessário, busque por ferramentas e conhecimentos adicionais.

Documente tudo

Nos dias atuais, a velocidade com que as informações são propagadas nos impede de guardar tudo na memória. Nesse caso, não queremos correr riscos, pois as demandas se diversificam e aquilo que funciona em determinado negócio, necessariamente, não tem que funcionar no outro.

Portanto, anote tudo, documente, utilize recursos de memorização — como os mapas mentais — e esteja pronto para liberar o feedback.

As transações comerciais pela internet devem aumentar significativamente nos próximos anos, afinal, estamos falando de um processo irreversível. Hoje em dia, contamos com diversos recursos (de gestão, design, proteção, entre outros) para tornar esse tipo de relação ainda mais rápida, prática e segura. Portanto, não vai faltar gente querendo vender online.

O que achou das dicas, elas ajudaram você? Comente suas impressões: queremos saber a sua opinião!

 


Comentários

Comentários

Thiago Távora

Gerente de Marketing da empresa iSET. Formado em Gestão de Marketing. Especialista em Marketing DIgital e Mídias Sociais. Atuando como Gerente comercial e Negócios. Experiência profissional de mais de 10 anos na área de Internet. Apaixonado por esportes, filmes de ficção científica e amante de música eletrônica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *