Descubra aqui quanto custa abrir um e-commerce!

O BLOG MAIS COMPLETO SOBRE E-COMMERCE DO BRASIL

Descubra aqui quanto custa abrir um e-commerce!

Durante o planejamento de abertura de um e-commerce, comumente, surgem algumas dúvidas em relação ao investimento necessário para iniciar as vendas e a divulgação. Ainda que seja um processo diferente de lojas físicas, o e-commerce requer uma estrutura e a definição de uma estratégia eficaz para que obtenção de bons resultados.

O investimento é, para muitos empreendedores, o ponto-chave para iniciar uma loja virtual. Por isso, é no primeiro instante, é importante entender quanto custa abrir um e-commerce, e também conhecer os itens indispensáveis para abrir um negócio online.

Neste post, vamos falar sobre o assunto e entender os custos por trás de uma loja virtual. Boa leitura!

Por que planejar?

Assim como qualquer outro negócio é preciso planejamento para não ficar no “meio do caminho”. Já imaginou arcar com plataforma, layout e faltar recursos para certificados de segurança ou servidor?

Por isso, é importante colocar no papel o que for necessário, elaborar um cronograma e dividir os processos em etapas. Modelos como Canvas e 5W2H Dessa forma, as chances do empreendimento render bons frutos é maior.

Quanto custa abrir um e-commerce?

Em linhas gerais, os empreendedores têm que se preocupar com:

  • custos estruturais da plataforma, layout e demais recursos de TI;
  • custos com marketing.

Atribuiremos valores aproximados para cada um dos fatores que exigem investimento. Vamos a eles!

Plataforma

Há três tipos: gratuitas, pagas e de código aberto. As pagas apresentam valores que oscilam entre R$ 40 mensais até R$ 6 mil ou mais, conforme o tráfego e o volume de vendas. Esse tipo de plataforma é indicada para novos negócios, pois oferecem suporte e ferramentas que auxiliam a gestão e divulgação.

Já as de código aberto requerem pagamento e servidor (a partir de R$ 30 mensais) e um profissional e/ou agência para desenvolver o ambiente ao qual o cliente terá acesso e aquele em que os gestores vão cadastrar os produtos, acompanhar o andamento das vendas, entre outros pontos.

Esse profissional cobra entre R$ 2 mil e R$ 10 mil para deixar o e-commerce no ar e funcionando. A variação se dá pela estrutura, funcionalidades específicas, quantidade de produtos a serem colocados à venda e pela decisão se a tarefa de cadastrar ficará ou não por conta dos profissionais contratados.

Layout

O layout pode estar incluso no pagamento referente ao desenvolvimento, contudo, deve estar especificado no contrato. Existem templates oferecidos pelas plataformas (gratuitas ou pagas), mas se você quiser algo exclusivo terá que desembolsar entre R$ 1.000 e R$ 5.000. Nesse montante pode estar incluso logo, fonte específica, menus, botões e outros elementos que farão parte do front-end das páginas do site.

Certificado de segurança

É o certificado de segurança SSL que criptografa as informações trocadas entre a loja virtual e o cliente para que não sejam interceptadas por terceiros mal-intencionados. Existem no mercado os gratuitos e os pagos, cujos valores são a partir de R$ 24,00 por mês. É pouco, mas mantém os dados protegidos.

Marketing

A publicidade na internet é dividida entre aquela que exige recursos financeiros e as que exigem conhecimento, prática e tempo para o desenvolvimento. Vamos analisar as principais opções:

  • Google Adsense: A partir de R$ 3,00 por campanha. Cada clique nos links patrocinados pode custar até 10 centavos;
  • Facebook Ads: A partir de R$ 3,00 por publicação impulsionada;
  • Twitter Ads: Os valores são a partir de US$ 1;
  • Campanha SEO: é baseada no conteúdo produzido pelo e-commerce em sua página ou blog. A partir daí, ele pode utilizar as palavras-chave para o site ser encontrado nos mecanismos de buscas, como o Google e Bing. A própria loja pode criar posts ou contratar uma agência para esse fim. 

Como determinar em que pontos investir?

Como visto, existem diferentes tipos de custos relacionados à implementação de uma loja virtual. O investimento inicial pode ser baixo, mas vai exigir mais trabalho dos gestores. Além disso, o grau de profissionalismo pode deixar a desejar.

Se faltar experiência, será necessário recorrer a agências como a iSet, que presta suporte nas diferentes etapas do desenvolvimento do negócio virtual. Mesmo se você tiver recursos escassos, uma agência pode auxiliar bastante.

Assim, a pergunta não será mais quanto custa abrir um e-commerce, mas sim como vou empregar o dinheiro que eu tenho para ter o máximo de retorno? Existem diferentes modelos de negócios para o campo eletrônico. Contudo, para manter o alto nível de profissionalismo, é importante buscar alternativas que se mostrem viáveis, mas que, ao mesmo tempo, demonstrem a autoridade do site.

Gostou do que leu? Aproveite e entre em contato conosco para ver como a Iset pode ajudá-lo com seu negócio virtual.


Comentários

Comentários